sábado, 5 de novembro de 2016

Indicação de Leitura: "Pare de Acreditar no Governo!" de Bruno Garschagen

Esse livro me surpreendeu positivamente. O autor Bruno Garschagen traz uma reflexão muito importante. Se a classe política é tão desacreditada, alvo de críticas e com grande dificuldade de identificação de bons profissionais que possam ser eleitos e colocados no governo, como esperar sempre que o Estado seja a solução dos nossos problemas visto que ele é operado pelos políticos?

A maioria dos discursos tem sido pautada por sempre termos mais Estado e por outro lado aversão à política. O autor trás uma reflexão sobre nossos pouco mais de 500 anos de história e dá luz ao contexto que nos trouxe até o presente, fazendo um olhar crítico sobre o grande paradoxo que criamos: "Por que os Brasileiros não confiam nos políticos e amam o Estado".

A solução talvez seja diminuir o tamanho do Estado. Mas o mais importante seja a reflexão pessoal que cada um pode ter a partir de uma leitura da obra de Bruno Garschagen.

https://books.google.com.br/books/about/Pare_de_acreditar_no_governo.html?hl=pt-BR&id=6x9uCQAAQBAJ

domingo, 30 de outubro de 2016

Boa sorte ao novo prefeito de Belo Horizonte

Faz parte da democracia a vitória e a derrota. Passadas as eleições temos apenas que desejar o melhor para a nova gestão que assumirá o comando de nossa cidade. Estaremos sempre apoiando as boas ações e cobrando resultados. Tenho receio que ideologias esquerdistas, diga-se PT, venham parar aqui em BH na prefeitura. Segundo Alexandre Kalil, se "nem coxinha nem mortadela" então vamos para o jogo. Bom trabalho!

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Quer conhecer mais o Projeto Anel do Buritis?

Durante a campanha, nosso candidato a prefeito João Leite esteve no bairro Buritis e aproveitando a visita, entreguei a ele uma cópia do projeto Anel do Buritis.

Anel do Buritis 2016 - Projeto de Intervencoes Viarias


Esse projeto vem sendo desenvolvido a anos e está divulgado na página da Associação do Bairro Buritis (ABB). Como morador do bairro, membro da ABB e apoiador de todos os bons projetos que surgirem, estou aqui compartilhando o conteúdo do projeto para que todos saibam o que já estamos fazendo independentemente de candidaturas ou partidos.




Vamos colocar esse projeto para andar! Quer conhecer mais sobre o projeto? Clique aqui

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Obrigado pelos 2216 na campanha Braulio Lara 28300 para vereador em BH (Eleições 2016)

Agradeço a todos que me confiaram o voto e a indicação. Foram 2216 votos e apesar de não ser eleito, estou muito grato por tudo. A campanha Braulio Lara 28300 foi uma grande experiência! Continuarei trabalhando como voluntário e podem sempre contar comigo.



Meu site da campanha para Vereador Braulio Lara 28300 para as eleições 2016 continua disponível no site www.brauliolara28300.blogspot.com.br

sábado, 3 de setembro de 2016

Reconhecimento não tem preço

Atuo como professor desde 2011. Esse ano de 2016, pela segunda vez consecutiva, fui honrado com o título de Paraninfo da turma de formandos do Curso de Engenharia Civil do Centro Universitário de Belo Horizonte - UNI-BH. Em 2015 fui professor homenageado pelos dois semestres de formandos.




De acordo com o significado, o paraninfo pode ser um professor ou um profissional que tenha grande destaque no corpo científico dos alunos formandos, além de despertar carisma entre os estudantes. São os próprios formandos que, através de eleição direta e democrática, escolhem quem será o paraninfo da turma.

Fico muito feliz de poder estar fazendo a diferença juntos aos meus alunos. E certamente posso afirmar que esses reconhecimentos não tem preço!

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Braulio Lara Candidato a Vereador em BH # 28300

Pessoal,
SIM! Agora sou CANDIDATO A VEREADOR EM BH. Muitos me conhecem de vários círculos. Uns há mais tempo. Outros de menos tempo. Meu propósito com esta fanpage é criar um canal de exposição de ideias relativas a minha visão sobre o momento que estamos e minha disponibilidade a entrar na vida pública. Um ponto comum a todos é que mais gente nova com valores éticos tem que entrar na política. Então estou indo e coloco meu currículo a disposição. Peço a todos que me ajudem a divulgar: BRAULIO LARA 28300.  Valeu!




sábado, 2 de julho de 2016

Voluntariado Pro - Associação do Bairro Buritis - ABB



Vivemos em um mundo que apesar de tudo estar andando muito rapidamente, sempre somos levados a pensar que ainda temos que ser mais velozes. A velocidade da transformação da sociedade é tão grande que às vezes somos pegos olhando apenas para nosso pequeno micro mundo e esquecemos que fazemos parte do todo. A percepção do individual uma hora esbarra no coletivo. E por isso vejo como muito importante a questão do voluntariado.

Em nossas vidas, conseguimos conquistar muitas coisas. Essas conquistas, sejam emocionais, relacionais ou materiais, são troféus particulares. Mas como será ter um troféu em um local onde você não pode usufruir? Conquistar a segurança de ter uma casa mas ter a insegurança de ser assaltado. Conquistar a possibilidade de ter seus filhos nas melhores escolas mas não conseguir passar mais tempo com os mesmos devido aos atrasos do trânsito caótico. A resposta está na questão que fazemos parte de um todo e se esse todo precisa ir bem.

O voluntariado é uma forma doar um pouco do seu eu para o coletivo. Independente de sua capacidade, essa doação certamente agrega para a formação de um ambiente coletivo mais sadio. Na verdade, quando estamos doando algo, incrivelmente recebe-se muito mais em contrapartida que pode-se imaginar. É como um semente que seja plantada. Com o tempo, pode-se ter muito mais que uma planta. É o efeito multiplicador.

Desde o final do ano passado me tornei voluntário na ABB e tenho participado da vida da associação. Cada pessoa tem seu talento e as coisas que conhece. Se você é bom em uma área, tenho certeza que poderá agregar. Todos são importantes. Nesse novo ciclo que a ABB está vivendo, tenho certeza que muita coisa boa será construída pois não queremos ser voluntários para fazer coisas ruins. Se estamos trabalhando, queremos o melhor. Mesmo sendo um trabalho voluntário, então, na ABB estamos trabalhando apenas com voluntariado pro! Vamos juntos?

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Sonhar não custa nada



“Do que me adianta viver na cidade se a felicidade não me acompanhar”. Cidade que tem bairros mas tem bairros que são como uma cidade. Nosso bairro é maior que muita cidade. Por isso ele tem que ser um lugar cada vez melhor para se viver. Claro que é um ponto de vista. Mas como saber para onde ir se não se pensar como deveria ser?
Quando o Sol levanta, me preparo para mais um dia. Após tomar um café reforçado, levo meus filhos para a escola. Essa escola é pública do mais alto nível. Os professores todos são residentes no bairro. Todos tem um motivo de querer desenvolver seus sucessores, ou seja, a geração que chega. Seus filhos e netos estudaram nessa escola. Ela possui programas de desenvolvimento técnico e científico de modo que os filhos desse bairro tem uma preparação cada vez mais sólida para que sejam profissionais mais produtivos e eficientes em suas profissões. Todos tem fluência em três idiomas: português, inglês e espanhol. Motivo simples: nossos vizinhos falam espanhol e o mundo fala inglês. As pessoas valorizam essa escola e as universidades ao redor. As famílias passam a se conhecer e percebem que o maior patrimônio social é o resultado que o futuro vai retribuir.
Não peguei trânsito, pois a escola aperfeiçoou a logística para pegar os alunos em casa. Afinal, por que no período de férias o trânsito da cidade funciona bem melhor? De qualquer forma, tudo foi pensado para não se gerar gargalos nas vias que estão disponíveis. Mesmo tendo ido de carro, transitei sem atrasos. Mas precisava me dirigir ao centro. Então, parei meu carro em um grande bolsão de estacionamento na saída do bairro. Neste local, entrei em um ônibus extremamente confortável, que teve suas rotas calculadas para que mesmo em horários de pico, nenhum passageiro tivesse que ir em pé. Tranquilamente, li as notícias do dia no meu celular enquanto ocorria o deslocamento no ambiente com pouco ruído e climatizado.
Cheguei ao local desejado e não precisei preocupar com vagas para estacionar. Me desloquei ao destino com toda a segurança de não ser tomado de assalto na rua. A economia está aquecida e em crescimento. Por isso, todos os cidadãos trabalham e tem seu sustento. A criminalidade foi caindo a tal ponto que não é mais um motivo de preocupação. Acertados os pontos da reunião sobre um novo empreendimento, fui ao banco onde o financiamento ocorre com juros baixos. O dinheiro dos bancos fomenta a produção e não a especulação. Além disso, para obter as licenças junto aos órgãos públicos, nunca fui tão bem atendido: estavam prontos para me impulsionar e a burocracia era inteligente e ágil. Todos ganhariam com o novo projeto, inclusive o Estado recebendo sua contrapartida em impostos para então cumprir seu papel. Alíquotas justas e que todo contribuinte tinha orgulho em pagar.
Tudo interligado e funcionando para crescer. Problemas sempre existiram. Mas mesmo quando precisei do judiciário, em poucas semanas, já havia uma decisão tomada sobre o assunto. Voltei para casa ao final do dia. Não perdi tempo no trânsito. Peguei meu carro no bolsão de estacionamento onde eu o coloquei com toda a segurança. Percebi que não estava legal e fui ao posto de saúde do bairro. Fui atendido por médicos muito capacitados que desenvolviam seu trabalho recebendo um salário a altura de sua formação. Enfim, no meu lar, olhei para meus filhos e percebi que nos olhos deles o futuro estava se aproximando em um contexto cada vez melhor.
Certamente, ao ler esses parágrafos, alguém poderá dizer: -- Acorda! Vem para a realidade! Mas me fala uma coisa: se você não puder mentalizar um futuro, como saber para onde você está indo? Afinal, sonhar não custa nada. Mas sua decisão, é o nosso futuro.

terça-feira, 31 de maio de 2016

Novo diamante na literatura mineira

Fiquei muito surpreso positivamente ao ler o livro Teia de Ilusões da autora Ana Luisa Assis Oliveira. A trama da história foi tão bem bolada que me vi obrigado a ler 300 páginas em dois dias para descobrir realmente quem era o verdadeiro assassino. Uma obra que não deixa nada a desejar para nenhum dos famosos romances policiais. Digo que sendo a primeira obra da autora, certamente o futuro promete grandes diamantes literários!


domingo, 1 de maio de 2016

Meu bairro Buritis tem potencial



Ao observar e cada vez mais perceber os detalhes do bairro Buritis, é fato que trata-se de um bairro que tem um grande potencial. Em todos os sentidos podemos afirmar isso. Mas existe uma diferença entre o valor real e o valor percebido.
Por se tratar de um bairro muito adensado, todo cálculo que podemos fazer parte de uma referencia de uma população residente na ordem de 30.000 habitantes. O volume de impostos que o município arrecada tanto em IPTU mas também em ITBI e ISSQN, certamente podemos estimar por baixo algo na ordem de R$ 5 milhões por mês. Esse é o valor real. Mas qual a percepção das aplicações (investimentos) no bairro? Certamente a resposta é que é muito baixa (valor percebido).
É necessário trazer mais recursos para dentro do entorno. Melhoria das vias, podas de árvores, etc. Existem várias ações que devem ser desenvolvidas para que o valor percebido seja compatível com o valor real. Como obter isso?
Tenho visto muitos trabalhos interessantes sendo desenvolvidos dentro do Buritis. Certamente, não são patrocinados pelos recursos do caixa do poder público com o dinheiro nós mesmos pagamos. São iniciativas na linha do voluntariado e que tem feito grande diferença. Essas ações muitas vezes passam despercebidas. Projetos sociais e culturais no Parque Aggeo Pio Sobrinho, ações públicas por meio da ABB - Associação do Bairro Buritis, entre outros. Redes de Vizinhos Protegidos e Rede de Comerciantes Protegidos são ações de destaque.
Mas quando pensamos que são mais de 30.000 pessoas residindo nessa região, o valor percebido de todas essas ações é muito baixo. E para reverter esse cenário, é importante vivenciar mais as experiências sociais que estão sendo criadas e dessa forma também exercer nossa cidadania.
É muito satisfatório ver as pessoas se mobilizando para criar um bairro melhor. Quem ainda não conhece, sugiro se aproximar mais e ter também essa percepção. Tenho certeza que ainda tem muita coisa para ser desenvolvida, pois afinal, estamos falando de um local que tem potencial! Aí sim teremos um alto valor real e um alto valor percebido. Qual será sua contribuição?

sábado, 16 de abril de 2016

Impeachment é a solução ou a melhor alternativa?

Na vida temos que ter coerência. Mesmo apesar de reconhecer a eleição passada e dar um voto de confiança mental à presidente eleita, em poucos meses após o início do segundo mandato, as mentiras vieram à tona. Ela não conseguiu sustentar o cenário maquiado que usou para se reeleger.

Me senti um otário e pelo meu direito democrático manifestei em todas as datas agendadas, acompanhei os noticiários, expus minha opinião sempre respeitando os pontos de vista contrários. Afinal tenho vários amigos petistas e que continuarão sendo sempre grandes amigos.

Estamos chegando na hora de converter o que a pressão das ruas (grande maioria) a pelo menos 1 ano e meio vem pedindo: saída desse governo. Agora a tensão é máxima e a tática vermelha é de confundir as pessoas. Impeachment sem crime é golpe. Deve ser mesmo. A questão é que querem desqualificar os crimes, transformando as mentiras em verdades e distorcendo os fatos. Infelizmente, fazer uma nova eleição imediatamente não está previsto na legislação. Na minha opinião seria a melhor saída.

Quem venha o Temer por enquanto. Mas que sigam os processos do TSE e as investigações do Judiciário. Ninguém aguenta essa política. O sistema é foda!

Convido a todos apoiarem o impeachment e também de entrar na política. A única forma de transformar esse quadro é o ingresso de pessoas de bem e comprometidas. Ninguém sobe em uma árvore pelos galhos mais altos. Tem que começar pela base. Eu estou me preparando. Sou pré-candidato a vereador em BH. Sua decisão, nosso futuro! Que Deus ilumine a história que está sendo escrita nesse capítulo!

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Salve-se quem puder



O instinto de sobrevivência é uma característica de todas as espécies. Mas os seres humanos, racionais na essência, com grande capacidade de se organizar em sociedade, constantemente tomam decisões egoístas com o objetivo único e exclusivo de salvar a própria pele.

Em um mundo globalizado, totalmente interligado pela internet, como pensar em uma decisão que não afete a vida do outro? Claro que existem níveis e existem pessoas que influenciam mais ou menos aqueles que estão à sua volta. Não necessariamente em termos geográficos, mas em muitos casos em termos de círculos sociais, comerciais, educacionais, etc. É como a fábula do “Rato na fazenda” que ao final nos mostra que o problema de um é problema de todos.

Nas últimas semanas vimos os holofotes voltados para as manifestações sociais, para as surpreendentes revelações, das tramas dos bastidores. Tudo interagindo a uma velocidade jamais vista, praticamente em tempo real. Quem diria? Como acreditar em manipulação sendo que toda informação que se quer está a poucos passos de uma pesquisa eletrônica? Mas as armadilhas existem. E existem nas próprias pessoas. Isso porque se a consciência for construída à reboque de outras visões sem a formação do senso crítico, poderão ser conduzidas de forma às vezes maquiavélica.
O mais interessante é que todos acabam recebendo o impacto da onda que se alastra a partir de tais atos. Como pensar que o “problema não é meu”?  Quanto mais cedo se reconhece que há um problema e passa-se a atuar na sua solução, mais rápido o problema de todos será corrigido. Essa deveria ser a posição das pessoas que tem alto poder de influência nos círculos sociais, onde suas atitudes deveriam estar mais vinculadas ao coletivo do que ao individual. Mas esse é o instinto de sobrevivência que cega a visão daqueles que estão no comando. No mundo animal, o rei da selva estando cercado por um bando de suas presas, ameaçado, só pensa em se safar. Sabe que o bando poderá triunfar sobre sua máxima performance individual. E aí começa o salve-se quem puder!
Precisamos de que as pessoas que ocupam postos de grande relevância não se coloquem em primeiro plano. Afinal, os problemas gerados nas decisões, afetam todos. Como seres humanos, precisamos destacar nossa capacidade e encontrar formas de melhorar nosso convívio social. No momento de pressão máxima, qual será sua ação: proteger a todos ou salve-se quem puder?

terça-feira, 1 de março de 2016

Boa e velha vaquinha

Quem nunca fez uma vaquinha? Esse conceito popular comumente utilizado e hoje até automatizado em sites específicos, permite que um grupo de pessoas se empenhe de forma proporcional para adquirir um determinado bem ou objeto.

O mercado sempre tentando criar alternativas para os momentos que vivemos, reativou de forma mais intensa os consórcios. Enquanto as taxas de juros estavam baixas (ou acessíveis melhor dizendo), os consórcios ficaram um pouco esquecidos. Afinal era mais convidativo contratar um financiamento que daria acesso imediato ao bem do que se envolver com um sistema de compra que depende de sorte e probabilidade.

Na verdade o consórcio é uma vaquinha mensal sorteada a um dos participantes do grupo. A cada mês, todos juntam um dinheiro (valor do bem) e distribuem a um sortudo que teve seu número escolhido entre os demais. Mas e se eu for o último a ser sorteado?

Na verdade se você é disciplinado, já tem seu capital e tem condição de comprar tudo à vista, acredito nem precisar continuar nossa conversa, pois o ideal é você utilizar seu dinheiro para uma excelente compra à vista. Mas se essa não é sua realidade, entrar em um consórcio, mesmo vindo a ser o mais azarado do grupo e se tornar o último a ser contemplado, pode não ser de tudo ruim. Talvez tenha sido a forma que você se viu forçado a economizar e ao final ter o dinheiro para comprar o tão sonhado (ou planejado) bem. Mas e se a sorte estiver ao seu lado?

Claro que o consórcio tem um custo além do custo do bem. As administradoras cobram uma taxa de administração que varia de acordo com a modalidade (veículos ou imóveis), prazos e valores. Mas esse custo é bem menor que os juros pagos ao longo do período em um financiamento. Tecnicamente o consórcio não tem juros.

Como os juros no mercado tem subido e o crédito tem sido mais escasso, os consórcios voltaram para viabilizar a compra de carros, apartamentos, lotes, etc. Inclusive tem sido muito acessados para aqueles que tem como objetivo de dar lances para acelerar contemplações. São muitos detalhes que tem que ser observados mas acredito ser uma boa alternativa para realizar a compra de um bem. Imagine com um ano de economias, já ter a possibilidade de adquirir um imóvel. O fato é que pode ser uma boa alternativa a se pensar. Lembre-se da boa e velha vaquinha!